Quando você ouve falar sobre o Rio Grande do Sul e gaúchos qual é a primeira imagem que vem à sua cabeça? A bombacha, calças típicas gauchescas; o chimarrão, bebida com erva-mate e água quente, ou o famoso e tradicional churrasco, como uma costela de chão?

Bem, se você pensou em qualquer um desses aspectos, acertou.

Contudo, a cultura e os costumes dos gaúchos vão bem além do que conhecemos apenas como traços e clichês que são nos passados através da televisão, cinema e internet. Por isso, listamos cinco hábitos que todo gaúcho tem:

Chimarrão em qualquer lugar

Sim, pode estar na praia, no campo ou em qualquer lugar, com calor de 40 anos, se tu ver alguém com uma térmica e cuia na mão, sabe que é um gaúcho matando a sede.

Gastronomia de encher os olhos

Não apenas de churrasco vive um bom gaúcho. Há o tradicional e já difundido arroz carreteiro, prato que já faz parte dos costumes e da tradição sulista. A base dessa especialidade, além do grão de arroz tradicional de todos os brasileiros, é a carne seca ou o resto do churrasco, que irá junto a uma mistura de condimentos, como alho e cebola.

Trova galponeira

Se você acha o rap uma forma autêntica de rima e improviso, deve conhecer um dos maiores símbolos gaúchos: a trova galponeira.

Este tipo de música gauchesca foi criada em galpões de fazendas e consiste na boa música gaúcha acompanhada da capacidade do cantor improvisar durante o “grito da sanfona”. Há vários tipos de trova: campeira, milonga, martelo, etc.

Forma de se vestir

Como já dito no começo do texto, os gaúchos têm uma forma típica de se apresentar em público. No Rio Grande do Sul o traje tradicional recebe o nome de pilcha.

O “look” gaúcho pode conter os seguintes elementos: poncho (cobertor com abertura para a cabeça que vai até metade do corpo); o relho (chicote de couro) e o facão; além da bombacha (calças largas).

O vestuário ainda pode conter especificações em laços, chapéu, botas e presilhas. Inclusive, a LEI Nº 8.813, de Janeiro de 1989, oficializou o traje como sendo de honra e uso preferencial no Rio Grande do Sul, para ambos os sexos, a indumentária denominada “PILCHA GAÚCHA”.

Hino do estado na ponta da língua

É difícil encontrar um estado onde tanta gente saiba cantar o hino de sua terra como os gaúchos.

No Rio Grande do Sul não é apenas um dever cívico; é uma responsabilidade com o tradicionalismo e respeito ao local em que moram. As paixões pelas terras do extremo sul brasileiro podem ser definidas nesse verso do hino gaúcho: “Povo que não tem virtude/Acaba por ser escravo”.

Frequentar o CTG

Já pensou todos esses aspectos culturais, os hábitos arraigados durante gerações e o amor pela terra reunidos num só lugar? Pois bem, o Rio Grande do Sul tem o seu próprio local para representar bem o sentimento gauchesco: é o CTG, sigla de Centro de Tradição Gaúcha.

São quase 1,2 mil espaços deste tipo espalhados por todos os municípios do Rio Grande do Sul. É uma das principais “exportações” dos gaúchos, podendo ser encontrados principalmente no Paraná. Lá são realizadas festas, churrascos e, claro, esportes.

Há ainda um vasto campo cultural que é típico dos costumes gaúchos. Em destaque fica a literatura e a política do estado, ambas reconhecidas ao longo da história brasileira.

Há também elementos culturais incorporados, como jogos de futebol que criam rivalidades entre as maiores do país, como o clássico Grenal, além da arquitetura trazida pelos diversos imigrantes europeus que chegaram em várias ondas imigratórias nos últimos dois séculos.